A outra história: por uma narração alternativa das lutas de libertação nos PALOP

A outra história: por uma narração alternativa das lutas de libertação nos PALOP

par L. Bussotti et M. Jacquinet

Volvidos cerca de 45 anos da obtenção das suas independências, chegou a hora de repensar na historiografia oficial dos Países Africanos de Língua Portuguesa (PALOP). Tal necessário revisionismo abre novas chaves de leitura sobre o período crucial das lutas pelas independências, assim como sobre o processo de descolonização e democratização dos PALOP. Saíndo da perspectiva de que “a história é escrita pelos vencedores”, este dossiê convida os investigadores a submeter suas propostas para contar uma “outra história”, abrindo novos cenários historiográficos, que vão se cruzar com o processo de construção da identidade nacional dos países aqui considerados.  Serão particularmente apreciados estudos baseados em novas fontes, quer orais, quer escritas, e em novas leituras de fatos, processos e figuras da história dos PALOP.

 * * * * 

Proposta de dossier para a revista Tempo e Argumento

 

Volvidos cerca de 45 anos da obtenção das suas independências, os Países Africanos de Língua Portuguesa (PALOP) estão sendo atravessados por uma vaga de revisionismo historiográfico que abre novas chaves de leitura sobre o período crucial das lutas pelas independências levadas a cabo em Guiné-Bissau e Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Moçambique e Angola, assim como sobre o processo de descolonização por parte do governo português liderado pelo General Spínola e depois pelo General Costa Gomes, imediatamente depois do 25 de Abril de 1974. Uma tal tentativa de releitura do recente passado está ocorrendo apesar de enormes dificuldades, derivantes basicamente de um clima político não favorável a tais iniciativas, pelo menos naqueles países dos PALOP cujo nível de democracia real continua baixo e em que nunca houve alternância de governo, entre os quais os dois maiores, Angola e Moçambique.

No caso dos PALOP, o lema de que “a história é escrita pelos vencedores” representa uma realidade concreta, que moldou toda a historiografia oficial, principalmente graças ao fato de que todos esses países passaram por uma experiência de adesão ao marxismo-leninismo, com regimes a partido único, que adotaram uma versão da história linear, apologista e unilateral, desconsiderando complexas dinâmicas internas aos movimentos de libertação, que ficaram assim quase que completamente negligenciadas. 

Pelo contrário, em todos os PALOP existe uma “outra história”, que inicia de uma necessária reconsideração do processo de descolonização levado a cabo pelo governo português de Salvação Nacional, e termina com possíveis opções políticas “alternativas” que entretanto foram apagadas – por vezes, como no caso de Moçambique, de forma extremamente violenta – e que, apesar da introdução, na década de 1990, do multipartidarismo, da liberdade de expressão e de imprensa, até hoje continuam amplamente ocultadas e incapazes de competir com a historiografia oficial e suas versões de frequente “míticas” e construídas a partir de fontes duvidosas.

Por isso julgamos que tenha chegado a hora de repensar na fundação e na evolução das independências dos PALOP, usando fontes alternativas, quer orais, quer documentais, hoje em parte disponíveis, abrindo assim um debate historiográfico sério e desprovido do pendor político e ideológico que o tem caraterizado até hoje. O período que o dossier considera mais crucial é o das lutas de libertação, assim como dos primeiros anos das experiências socialistas dos PALOP, em que se construiu a historiografia oficial e em que os regimes socialistas expressaram a sua face mais dura.

O presente dossier tenciona portanto refletir sobre o pós-colonial nos PALOP, convidando os autores a propor artigos sobre assuntos inovadores e desafiadores, tais como, a mero título de exemplo:

  1. A descolonização portuguesa e seus impactos nos movimentos de libertação, com um foco especial nas dinâmicas internas a tais movimentos;
  2. A revisão do “mito fundador” que os vários PALOP criaram e difundiram, tornando-se história oficial, mas sem o uso de fontes fidedignas;
  3. A revisão da componente militar da luta pela independência e a importância que esta teve no resultado final;
  4. A relação entre adesão ao marxismo-leninismo e direitos humanos, principalmente no que diz respeito aos direitos políticos dos opositores;
  5. A revisão de figuras que a historiografia oficial tem classificado de “reacionárias” e “antipatrióticas”, mas que hoje estão merecendo uma abordagem mais crítica e uma reinserção na história dos vários PALOP;
  6. As datas, os símbolos, os heróis da história oficial diante a sua revisão crítica na construção da identidade nacional;
  7. Os processos de exclusão de grupos étnico-linguísticos ao longo do processo de lutas pela independência nacional e da formação do Estado-nação;
  8. A questão das fontes usadas pela historiografia oficial e seu questionamento;
  9. A comparação entre os vários PALOP no que toca à experiência da luta de libertação nacional.

 

Organizadores:

Luca Bussotti (UFPE e CEI ISCTE-IUL)

Marc Jacquinet (Universidade Aberta de Lisboa)

Mais informações no site da revista Tempo e Argumento (Submissões até 31 de maio de 2021.) em 

https://www.periodicos.udesc.br/index.php/tempo/index

https://revistas.udesc.br/index.php/tempo/dossie20213 

Cite this article as: {Jacquinet, Marc}, A outra história: por uma narração alternativa das lutas de libertação nos PALOP,"{Management Critique}," in {https://critiquema.hypotheses.org}, 20/11/2020, https://critiquema.hypotheses.org/1239.

Marc Jacquinet

https://orcid.org/0000-0003-1157-060X

Vous aimerez aussi...

Laisser un commentaire

Votre adresse de messagerie ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *

Ce site utilise Akismet pour réduire les indésirables. En savoir plus sur comment les données de vos commentaires sont utilisées.

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search