Bolhas e inchaços em literaturas acadêmicas e nos debates societais

 

 

 

Marc Jacquinet

A sociedade contemporânea caracteriza-se por um florescer de polémicas, como se estivéssemos a regressar a um espécie de ethos descritos por Gaston Bouthoul nos seus ensaios de polemologia – isto é do estudo da guerra e da agressividade numa perspetiva sociológica, oriunda numa reflexão sobre os dois conflitos mundiais do século XX e sobre violência e terrorismo.

Com Louise Weiss, militante e escritora feminista também marcada pelas duas guerras mundiais, fundou o Institut français de polémologie que teve algum sucesso, mas depois do desaparecimento de ambos os fundadores definhou, como se os conflitos e as guerras sumiram.  Na Europa, a guerra enquanto conflito armado findou, e o conflito ficou congelado na guerra fria com algumas revoltas..

Contudo, as guerras, a violência e o terrorismo não desapareceram, mesmo que se possa dizer que a guerra esteja relativamente limitada a zonas nas margens das potências e a conflitos regionais. 

O terrorismo e a violência recrudesceram na última década, com a emergência de grupos como Al-qaeda e o Estado Islâmico. A agressividade social e os conflitos de opinião têm aumentado, caracterizados por um extremar das posições; tratam-se de polémicas sem diálogos, são controversas acesas que acampam em posições e cultivam emoções que vão do ódio ao desprezo. 

Embora se utilizasse expressões como debates, discussões, debates, polêmicas, conversas, etc. – tratam-se de lançamentos de argumentos e contra-argumentos, para não dizer de insultos e contra-insultos, em que não há progresso no intercâmbio. 

Desapareceu a retórica – como concebida por Aristóteles e no Renascimento – e passamos a uma situação paradoxal que combina conversas em zonas de confortos e marketing político com uma polemitização (processo de transformação dos debates ou em torno a questões controversas ou essencialmente contestáveis ou em torno a dificuldades – voltarei a estes dois tipos) dos debates com posições extremas em que a ofensa responde ao ofendido e o ofendido tem como escolha a ofensa ou o insulto.

 

A ironia mais genuína desapareceu e temos, em vez disso, cinismo, ostracismo e caricaturas. A ironia foi substituída por uma ignorância crassa e uma estupidez espessa. 

 

Em vez de estudar e escutar, temos à flor da pele reações, quanto mais espontâneas e imediatas, melhores. Vivemos nos tempos das redes sociais. Aceleraram-se os tempos, frivoliram-se as vontades. 

A ponderação e a reflexão aparecem como defeitos nas ditaduras das redes e dos grupúsculos ideológicos.

Onde está a tolerância nisto tudo? E a convivialidade?

 

Os efeitos das bolhas e dos inchaços não se limitam às redes sociais, está na gênese das interações sociais mais imediatas relacionadas com o trabalho, a vida política, social, cultural, desportiva, recreativa e no meio dos estudiosos. 

 

Um dos mecanismos que permite estas bolhas é a autodiferenciação das posições e das ideias. Quem falou do fim das ideologias? Enfrentamos o magnânimo regresso das ideologias autorreferenciadas. 

Os conflitos são as exclusões, as discriminações, os racismos, os preconceitos, os nacionalismos, os capitalismos e, também, os partidos políticos, sejam em democracias, sejam em regimes autoritários e mesmos totalitários. 

 

O meio académico não escapou a esta partidarização e à criação de facções disciplinares e de eficiência à outrance. É neste aspecto revelador o estudo das organizações com a beatificação do marketing e da promoção das reações rápidas à concorrência e às tendências (de mercado e para tudo o resto).  A argumentação consiste em juntar argumentos ou provocações e clicar “enviar” como um bombardeio larga as suas bombas no alvo (em gestão fala-se muito de objetivo, target, eficiência e eficácia).

A argumentação – baseada na escuta, na leitura, na confrontação de proposições e no estudo aprofundado – é coisa rara. E esta raridade combinada com a ignorância crassa do nosso tempo em matérias de retórica clássica e da comunicação genuína – simples ou elevada – contribui ao impasse em que estamos  e a muitas dificuldades que temos em dialogar e mesmo conversar. 


Uma nota final de precisão

A polemitização (implicando duas ou mais posições antagônicas) pode enveredar para dois caminhos num debate, ou se acampa em posições e cada um fica no seu pedestal e tenta fazer cair o outro do seu e ninguém aprende nada, ou se discute as questões tentando escutar o outro e perceber quais são as contradições, insuficiências, falácias, emoções, razões, pontos de divergência e convergência. Reparem que aqui não falei da questão moral ou ética, mas ela existe e pode complexificar esta apresentação dicotómica  da polemitização. Um outro fator relevante é a do tempo e esforço consagrado na discussão ou debate, assim como cada parte se preparou, com humildade ou não, com estudo aturado ou não. 

 

Cite this article as: {Jacquinet, Marc}, Bolhas e inchaços em literaturas acadêmicas e nos debates societais,"{Management Critique}," in {https://critiquema.hypotheses.org}, 06/03/2021, https://critiquema.hypotheses.org/1299.

Marc Jacquinet

https://orcid.org/0000-0003-1157-060X

Vous aimerez aussi...

Laisser un commentaire

Votre adresse de messagerie ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *

Ce site utilise Akismet pour réduire les indésirables. En savoir plus sur comment les données de vos commentaires sont utilisées.

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search