A pseudociência do ministro da ciência 

 

O presente texto consiste num exercício de retórica irónica, sem pretensão de analisar a complexidade de um fenómeno que é a transformação da política em management, ou seja em anti-política, em relação aos objetivos nobres da universidade, mas que paira no limbo de uma política dirigida contra os vulneráveis e os que não podem aceder ao estatuto das elites de um pequeno oásis com sabor ranço de um déjà-vu fascizoonosifrenético que em breve celebrará um centenário 1926.2026. 

Texto pensado e esboçado em início de abril, reescrito em 1 e 2 de maio de 2021

 

Marc Jacquinet

 

Alguns investigadores e professores do ensino superior podem se lembrar de uma manchete do jornal Público intitulada  “Vou flexibilizar o emprego científico” em 2016. A frase vomitada elegantemente com toda a segurança por quem nunca passou por verdadeiras privações, dirige-se aos colegas, pelo alto do seu púlpito de guru en puissance, mensagem dirigida com atenção especial e carinhosa para os vulneráveis, os precários e os que a qualquer momento podem – formalmente e não só – ser despedidos e ver seu contrato de trabalho cair por terra e sua vida mergulhar no precipício. 

Mas quem fala, senão um privilegiada nascido com o rabo na manteiga fresca, indo de subsídios em subsídios, da família, do estado e de algumas sinecuras, voando mais alto e filiando-se ou afiliando-se àquelas escolas coloniais que oficialmente promovem o mérito dos privilegiados. E por uma cuidadosa trajetória relâmpago de  mérito, fazendo e praticando no dia a dia o privilégio, chegam ao destino de cargos altos, tipo cargos “mariajoana” para privilegiados e outros rabos sentados na manteiga que podem estar num estado de levitação mental, pairando por cima das massas e dos colegas, evitando assim pensar no incômodo que o sofrimento dos outros possa existir.

Do alto do púlpito, em plena pandemia, ao passo que os professores do pré-escolar, do ensino primário, básico e secundário recebem vacinas, os do superior não estão incluídos, pelo condão da racionalidade magnânima do ministro e outros luminárias. 

Qual é a razão, a ciência de tal postura de uma liderança que mais tem a ver com o Modi, com a diferença que neste paraíso do extrema ocidente, modelo de gestão racional, utiliza-se dois estratagemas principais. Há outros, o grande guru e os sacerdotes do império são sutis. Veja esta inteligência e contra-inteligência nestes dois pontos que são os estratagemas.

O primeiro, o marketing político, espécie de comunicação que compartilha muito com a propaganda, noblesse d’école coloniale oblige. A propaganda baseia-se na pseudociência, os docentes e investigadores são diferentes dos outros, por isto os cuidados e os direitos são flexibilizados e os deveres tornados ainda mais rígidos. A escola colonial no seu melhor. A pseudociência disfarçada de ciência no seu melhor.

O segundo estratagema, tipicamente usado na metrópole e nas províncias ultramarinas e nos distritos imperiais do ministério – do continente e das ilhas como se diz hoje em dia – este estratagema, então, é o de deixar os acorrentados – precários, colegas, e todos os outros, mesmo os líderes autênticos – à sua sorte como se diz, aplicando um teorema ainda em construção da teoria dos processos aleatórios. Esta pseudociência apresenta-se como ciência, com o seu misericordioso e supremo sacerdote o ministro da ciência e seu co-adjuvante o presidente da FCT Fuda Com Tudo que só ficarão erguidos os mais privilegiados de todos. 

E os outros? Os não vacinados? São os que contestam o sistema de privilégios e cargos para amigos e afilhados. Devem continuar como precários.

 

E por trás destes estratagemas e dos demais esquemas, qual é o grande desígnio da ambição? O progresso da ciência e das riquezas, como sempre foi. Quem pode estar contra a ciência?

Continuem a trabalhar, calados, dedicados, silenciosos, corajosos, seguindo a vossa vocação com a máxima dedicação e gratuidade. O preço para os heróis, a precariedade, o trabalho científico com absoluta dedicação e a isenção da vacina em tempo de pandemia.

E para o ministro, disfarçar a pseudo-ciência, a propaganda, o marketing e a hipocrisia e as transformar em ciência, comunicação, despachos ministeriais e promoção de avaliação a todos, para todos e contra todos, com uma excepção: manter os privilégios de uns poucos alicerçados na precariedade dos outros, dos 99%. dos heróis. 

Quem disse que o ministro fala doublespleak ou doublestandard? É o mundo como sempre foi. Fala mérito e prática privilégios, fala marketing e prática marketings. Esta propaganda entra pelo zoom e pelos emails oriundos da praça do império.

Nerolino: Get the fuck out of my house… Fuck you!

Blackout! 

Há mais vida para lá da ciência e pseudociência daquele homenzinho e do seu séquito.

Secou a sua sapiência.

Ciência e pseudociência não são a totalidade do universo.

Há vida para lá disto tudo. Os outros, o amor, o ágape, a compaixão, a empatia e a simpatia, e o mundo e a humanidade.

Vou continuar a escrever e usar da palavra e contra-palavra contra a propaganda. 

 

Get the fuck out of my house!

Cela va sans dire que je parle de l’oasis d’extrême arrogance à l’extrême occident de l’Europe et le plus éloigné géographiquement de la Biélorussie, sur le parvis du Global South

 

Cite this article as: {Jacquinet, Marc}, A pseudociência do ministro da ciência ,"{Management Critique}," in {https://critiquema.hypotheses.org}, 01/05/2021, https://critiquema.hypotheses.org/1323.


Marc Jacquinet

https://orcid.org/0000-0003-1157-060X

Vous aimerez aussi...

Laisser un commentaire

Votre adresse e-mail ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *

Ce site utilise Akismet pour réduire les indésirables. En savoir plus sur comment les données de vos commentaires sont utilisées.

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search