Estratégia, comportamento organizacional e desafio digital 

Estratégia, comportamento organizacional e desafio digital 

Marc Jacquinet

Este texto tem valor pedagógico,  nomeadamente para as ucs de gestão março de 2024 da Universidade Aberta. Não tem pretensão cientica, nem de originalidade

 

O desafio digital (e numérico) que as organizações enfrentam é multifacetado e complexo, como veremos. Um dos aspetos mais falados é o da inteligência artificial (IA). Não se limita a uma transição digital, como é geralmente referida em parte da literatura e na comunicação social ou de gestão.

 

Se o desafio e a transição digital têm várias facetas, isto não impede que possa ser resumido em alguns pontos-chave:

 

Transformação digital: As organizações são confrontadas com a necessidade de transformar as suas operações, processos e cultura para se adaptarem à era digital. Isto implica frequentemente a adoção de novas tecnologias, como a IA, a automatização, a computação em nuvem, a cadeia de blocos, entre outros aspetos.

 

Adaptação às mudanças rápidas e frequentemente não previstas e planeadas: o panorama digital está a evoluir a um ritmo extremamente rápido, o que significa que as organizações têm de se adaptar constantemente às novas tendências, tecnologias e comportamentos dos consumidores.

 

Gestão dos dados: Com o aumento do Big Data, as organizações enfrentam o desafio de recolher, armazenar, gerir e analisar grandes volumes de dados de forma eficiente e segura.

 

Segurança das TIC: A crescente digitalização das operações comerciais também expõe as organizações a um risco acrescido de ciberataques. A proteção de dados sensíveis e a prevenção de violações da segurança estão, por isso, a tornar-se prioridades importantes. É um desafio para a comunicação interna e externa da empresa ou da organização.

 

Experiência do cliente, usuário ou utilizador: Num mundo cada vez mais digital, as expectativas dos clientes em relação à experiência do utilizador são mais elevadas do que nunca. As organizações devem esforçar-se por proporcionar experiências excepcionais aos clientes em todos os canais digitais. Podemos ainda acrescentar a experiência do cidadão, mas sem se limitar ao aspecto das eleições.

 

Talento digital (e competências digitais): Encontrar e reter talentos qualificados em áreas como o desenvolvimento de software, a análise de dados, a cibersegurança, etc., está a tornar-se um grande desafio para muitas organizações que enfrentam uma concorrência feroz no mercado de trabalho digital.

 

Estes desafios exigem que as organizações ou empresas adoptem uma abordagem diferente das épocas anteriores, isto é mais proactiva e estratégica da transformação digital, investindo nas tecnologias certas, desenvolvendo as competências necessárias e integrando uma cultura de inovação e adaptabilidade.

 

Destaco ainda a questão da inovação tecnológica e das transformações e interacções entre o ser humano, o trabalho, as organizações e a técnica com a emergência de novas tecnologias mais invasivas, mais potentes onde um dos desafios adicionais é o de colocar limites, a todos os níveis. 



Referências :

  1. McKinsey & Company – “What digital really means”: https://www.mckinsey.com/business-functions/strategy-and-corporate-finance/our-insights/what-digital-really-means
  2. Deloitte – “The digital transformation imperative”: https://www2.deloitte.com/content/dam/Deloitte/global/Documents/Technology/gx-it-digital-transformation-imperative.pdf
  3. Harvard Business Review – “Leading Digital Transformation Is Like Urban Planning”: https://hbr.org/2021/09/leading-digital-transformation-is-like-urban-planning

 

Referências  adicionais   

 

  1. Brynjolfsson, E., & McAfee, A. (2014). The Second Machine Age: Work, Progress, and Prosperity in a Time of Brilliant Technologies. New York, NY: W.W. Norton & Company.
  2. Westerman, G., Bonnet, D., & McAfee, A. (2014). Leading Digital: Turning Technology into Business Transformation. Boston, MA: Harvard Business Review Press.
  3. Schwalbe, K. (2016). Information Technology Project Management. Boston, MA: Cengage Learning.
  4. Manyika, J., Chui, M., Brown, B., Bughin, J., Dobbs, R., Roxburgh, C., & Byers, A. H. (2011). Big data: The next frontier for innovation, competition, and productivity. McKinsey Global Institute.

 

ou ainda :

  1. Weill, P., & Woerner, S. L. (2015). IT Savvy: What Top Executives Must Know to Go from Pain to Gain. Boston, MA: Harvard Business Review Press.
  2. O’Reilly, T., & Battelle, J. (2009). Web 2.0: Principles and Best Practices. Sebastopol, CA: O’Reilly Media.
  3. McAfee, A., & Brynjolfsson, E. (2017). Machine, Platform, Crowd: Harnessing Our Digital Future. New York, NY: W.W. Norton & Company.
  4. Kemerer, C. F. (2005). Software project management: Readings and cases. Tata McGraw-Hill Education.
  5. Rayport, J. F., & Jaworski, B. J. (2001). Introduction to e-commerce. McGraw-Hill/Irwin

[Cite]

 


OpenEdition vous propose de citer ce billet de la manière suivante :
Marc Jacquinet (5 mars 2024). Estratégia, comportamento organizacional e desafio digital . Critique du management. Consulté le 15 juillet 2024 à l’adresse https://doi.org/10.58079/vyl8


Marc Jacquinet

https://orcid.org/0000-0003-1157-060X

Vous aimerez aussi...

Laisser un commentaire

Votre adresse e-mail ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *

Ce site utilise Akismet pour réduire les indésirables. En savoir plus sur comment les données de vos commentaires sont utilisées.

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search