Dinâmicas institucionais e empresariais: Inovação, empreendedorismo, complexidade e regulação nos processos históricos contemporâneos (*)

 [Texto baseado numa aula aos alunos de doutoramento no ISCTE em 2008 e revisto]

Quando olharmos para a história, enquanto disciplina mas também como objecto de estudo – e em particular para a história económica e social -, nós deparamos com uma multiplicação das perspectivas (sejam teóricas ou de método) e uma complexificação dos próprios objectos de estudo (pois, as fronteiras aparecem-nos mais fluidas, mais discutíveis do que eram há trinta anos atrás). Há aqui e ao mesmo tempo um desafio insuperável e uma oportunidade: a impossibilidade, por um lado, de abarcar todas as perspectivas enquanto literaturas e enquanto trabalho concreto de investigação que decorre de distintos olhares e, por outro lado, a potencialidade de numerosos modos de ver um problema, escolhendo as perspectivas mais pertinentes ou originais que o investigador julgar convenientes.

A minha discussão insere-se neste quadro e não foge aos escolhos que encontramos quando fazemos investigação. Para tornar a exposição a mais clara possível, começarei por explicar cada uma das três perspectivas antes de entrar nas considerações teóricas e metodológicas, dando alguns exemplos concretos. Estas perspectivas tornam em torno a três conceitos: o empreendedorismo, a inovação e a regulação.

Na minha perspectiva, são três temáticas complementares; no entanto, a sua articulação nem sempre é fácil e, em escassas ocasiões, evidente. Há todo um trabalho de reflexão sobre o objecto, os conceitos e o método a fazer. Outras combinações ou outros cruzamentos de perspectivas são possíveis.

Neste sentido, deixo a cada um a possibilidade de relacionar o que apresento com as novas e não tão novas abordagens da história: história de gente comum (histoire des gens ordinaires), história das empresas, a (nova) história política, a história das famílias, a micro-história, etc. Há sem dúvida muitas combinações originais que se possa seguir para orientar a investigação histórica. Um dos grandes factores limitativos é o da exequibilidade, nomeadamente na base de documentos pertinentes de arquivos. O mundo da empresa abriu-se ao trabalho do historiador e renovou um interesse pela (sua) memória (Ruffat 1999).

Antes de passar a umas questões conceituais, queria dizer uma última palavra sobre a necessária releitura de estudos de referência que se mantém como marco de baliza para os investigadores de hoje. A história e os autores clássicos, como Adam Smith, Joseph Schumpeter ou Werner Sombart, podem ser reinterpretados numa perspectiva nova, tentando delimitar melhor como estes estudiosos consideravam a história[2] ou como novos estudos podem reinterpretar estas mesmas obras de referência, acarretando novas representações do passado.

Por fim, cabe aqui fazer umas breves considerações conceituais. Em primeiro lugar, quando falamos de instituições, não nós limitamos às organizações do Estado ou regras jurídicas. As instituições são consideradas aqui como “sistemas de normas estabelecidas e prevalente que estruturam as interacções sociais” (Hodgson 2006: 2).

 Neste artigo, não vou desenvolver a questão da complexidade (ver outras entradas deste carnet e algumas que serão publicadas em breve).

 

Empreendedorismo

 

Há dois aspectos a salientar. Em primeiro lugar, que o interesse pelo empreendedorismo é recente nas ciências sociais e na economia em particular, especialmente na teoria microeconómica (Barreto 1989). Em segundo lugar, a literatura sobre o tema, dominada pela contribuição e pela posição da ciência económica, carecendo outras perspectivas, nomeadamente a história, é muito menos homogénea do que se poderia imaginar e, apesar das declarações em sentido contrário, as controvérsias são recorrentes. 

Embora haja referências do empreendedor na Encyclopédie de Diderot e d’Alembert e um primeiro tratamento por Richard Cantillon, no seu Essai Sur la Nature du Commerce en Général de 1734, só três economistas importantes deram contributos marcantes ou “clássicos” antes da Segunda Guerra Mundial: Werner Sombart com o conceito de “empreendedor” (Sombart 2002), Joseph Schumpeter, recuperando a ideia de empreendedor de Sombart e desenvolvendo a noção de “destruição criadora” (Schumpeter 1911, 1927, 1928, 1934) e Frank Knight com a distinção entre risco e incerteza (Knight 1921).[3]

Como dizia Ricketts, ainda em 1985 e repetindo-o em 2001, não apenas relativamente ao empreendedorismo mas às empresas e organizações produtivas em geral:

“For many years, the study of business enterprise has been a relatively neglected facet of economic theory. Most theoretical developments from the mid-1950s onwards involved areas remote from the preoccupations of everyday business life. The internal structure of enterprises was left to organisation theorists, the strategic development of individual firms to business historians, and the analysis of entrepreneurial endeavour to biographers. Indeed economists in the universities and people working in the world of business, at least in the United Kingdom, have little to say to one another. This was not merely the result of a prejudice against abstract theory on the part of business people. Most of them, perhaps, had neither the leisure nor the inclination for reading much economic theory, but, in addition, their patience would have been tried by an approach which, even allowing for the demands of simplifications and abstraction, appeared unrecognisable as a representation of the world in which they lived.” (Ricketts 2002: xix)

A literatura especializada sobre empreendedorismo desenvolveu-se a partir dos anos 1970, conhecendo na actualidade um surto nunca visto com numerosas publicações, desde monografias a revistas da especialidade.[4] Os debates continuam, mas há várias tentativas de sistematização do próprio campo de estudo (Veciana 1999, Veciana 2007).

 

Um última aspecto sobre o empreendedorismo e o seu estudo deve ser realçado. Dado o cariz multidisciplinar – e até interdisciplinar – do seu objecto de estudo, a literatura sobre empreendedorismo tem-se diversificado e novas perspectivas têm vindo a aparecer como o estudo da sustentabilidade, a cultura e o empreendedorismo (Brown and Ulijn 2004), a análise narrativa e do discurso (Hjorth and Steyaert 2004), histórias (Brown, et al. 2005) e as transformações sociais e geracionais (Audretsch 2007).

 

Inovação

        

 

Stokey, num estudo recente da industrialização britânica, avança a seguinte constatação:

“The British Industrial Revolution marked the beginning of the modern economic era: the faster growth, rapid real wage increases, and dramatic shifts in the allocation of labor and composition of output across sectors that began during that period have continued ever since. But our understanding of the factors underlying the economic events of this period is very incomplete. Technological change was clearly important, but its pace and exact location are still unclear.” (Stokey 2001: 55)

 

Segundo esta autora, o caso mais estudado, o da revolução industrial britânica, é ainda muito mal entendido em termos de factores que levaram às transformações que conhecemos. Que podemos dizer então sobre o caso das transformações tecnológicas em Portugal que ainda está pouco estudado?

 

 

 

Regulação

 

O tema da regulação oferece a oportunidade aqui de relacionar os dois temas precedentes (inovação e empreendedorismo) e introduzir, mesmo que de forma ténue, a problemática e o papel do Estado. Tanto a inovação como a criação e o desenvolvimento de uma empreendimentos comerciais ou industriais ocorrem num contexto determinado e embutidas em instituições concretas, mas não exclusivamente relacionadas com o Estado, e neste sentido, podemos falar de regulação social.

Aqui também a literatura é vasta e diversificada, como nos outros dois temas, constituída por posições metodológicas distintas e que evoluíram ao longo do tempo. A regulação não se esgota nos mecanismos jurídicos e legais, mas inclui um largo leque de instrumentos e processos.

Na literatura económica praticada hoje, as origens dos estudos da regulação são geralmente – e em parte erroneamente – situadas na década de 1970 com os trabalhos de Joseph Stigler sobre os monopólios e as situações de concorrência imperfeita (o que se chamavam os “desvios” em relação à situação de mercado perfeito).[5]

Os anos 1960 e 1970 são de intensificação da regulação por via legislativa e o aumento do controlo público – ao nível não só da legislação como do próprio recurso à aquisição da propriedade dos factores de produção e numa altura em que amontoam-se problemas e aponta a crise.[6] Durante os anos 1980, aparece a expressão e o fenómeno apelado de “de(s)-regulação” em que o papel do Estado é reduzido e transfere-se prerrogativas para o sector privado. A apelação não é correcta, trata-se de um novo tipo de regulação em que, por via legislativa e por venda de propriedade, se suprimiu antigos mecanismos de regulação e criou-se outros, mais centrados no mercado ou a sua encarnação mais próxima. Impõe-se mecanismos de concorrência ou de competição ou critérios de eficiência ou eficácia.

 

Bibliografia

 

Audretsch, David A. (2007): The entrepreneurial society. Oxford University Press, Oxford

Barreto, Humberto (1989): The Entrepreneur in Microeconomic Theory: Disappearance and Explanation. London: Routledge

Brown, John Seely, et al. (2005): Storytelling in organizations– How narrative and storytelling are transforming Twenty-First Century management. Burlington MA & Oxford: Elsevier Butterworth-Heinemann

Brown, Terrence E. and Jan Ulijn (2004): Innovation, entrepreneurship and culture–The interaction between technology, progress and economic growth. Cheltenham: Edward  Elgar Publishing

Cardoso, José Luís (2007): « Pombal, o terramoto e a política de regulação económica, » in O terramoto de 1755. Impactos históricos, ed. by A. C. Araújo, et al. Lisboa: Livros Horizonte,  165-81.

Hjorth, Daniel and Chris Steyaert (2004): Narrative and discursive approaches in entrepreneurship: a second movements in entrepreneurship book. Cheltenham: Edward Elgar

Hodgson, Geoffrey M. (2006): « What are institutions?, » Journal of Economic Issues, 40 (1), pp. 1-25.

Knight, Frank H (1921): Risk, Uncertainty, and Profit. Boston: Houghton Mifflin Company

Knight, Frank H. (1935): « Review of John R. Commons’ Institutional economics. Its place in political economy, » Columbia Law Review, 35 (5), May, pp. 803-05.

Knight, Frank H. (1942): « Profit and Entrepreneurial Functions, » The Journal of Economic History, 2 (Supplement: The Tasks of Economic History), Dec., pp. 126-32.

Knight, Frank H. (1951a): The Economic Organization. New York: Augustus M. Kelley

Knight, Frank H. (1951b): « The Role of Principles in Economics and Politics, » The American Economic Review, 41 (1), Mar., pp. 1-29.

Knight, Frank H. (1953): « Theory of Economic Policy and the History of Doctrine, » Ethics, 63 (4), Jul., pp. 276-92.

Knight, Frank H. (1955): « Economic Objectives in a Changing World, » in Economics and Public Policy. Brookings Lectures, 1954, ed. by R. Calkins. Washinton DC: The Brookings Institution,  49-80.

Knight, Frank H. (1960): « Social Economic Policy, » Canadian Journal of Economics and Political Science, 26 (1), Feb., pp. 19-34.

Pocock, J. G. A. (2006): « Adam Smith and History, » in The Cambridge Companion to Adam Smith, ed. by K. Haakonssen. Cambridge: Cambridge University Press,  270-87.

Ricketts, Martin (2002): The Economics of Business Enterprise: An Introduction to Economic Organization and the Theory of the Firm. Cheltenham: Edward Elgar

Ruffat, Michèle (1999): « Entreprise et mémoire, » in L’histoire aujourd’hui, ed. by J.-C. Ruano-Borbalan. Paris: Éditions Sciences Humaines,  353-57.

Schumpeter, Joseph A (1954): The History of Economic Analysis. New York: Oxford University Press

Schumpeter, Joseph A. (1911): Theorie der wirtschaftlichen Entwicklung. Leipzig: Duncker & Humblot

Schumpeter, Joseph A. (1927): « The Explanation of the Business Cycle, » Economica (21), Dec., pp. 286-311.

Schumpeter, Joseph A. (1928): « The Instability of Capitalism, » The Economic Journal, 38 (151), Sep., pp. 361-86.

Schumpeter, Joseph A. (1934): The Theory of Economic Development: An Inquiry into Profits, Capital, Credit, Interest and the Business Cycle. Cambridge, MA: Harvard University Press

Sombart, Werner (2002): Nationalökonomie als Kapitalismustheorie. Ausgewählte Schriften. Marburg: Metropolis -Verlag

Stigler, George A. (1968): « Price and non-price competition, » Journal of Political Economy, 76 (1), Jan. Feb., pp. 149-454.

Stigler, George J. (1957): « Perfect Competition, Historically Contemplated, » The Journal of Political Economy, 65 (1), Feb., pp. 1-17.

Stigler, George J. (1962): « Administered Prices and Oligopolistic Inflation, » Journal of Business, 35 (1), Jan., pp. 1-13.

Stigler, George J. (1965): « The Economist and the State, » The American Economic Review, 55 (1/2), Mar., pp. 1-18.

Stigler, George J. (1970): « The Optimum Enforcement of Laws, » The Journal of Political Economy, 78 (3), May – Jun., pp. 526-36.

Stigler, George J. (1971): « The Theory of Economic Regulation, » The Bell Journal of Economics and Management Science, 2 (1), Spring, pp. 3-21.

Stigler, George J. (1972): « The Law and Economics of Public Policy: A Plea to the Scholars, » The Journal of Legal Studies, 1 (1), Jan., pp. 1-12.

Stigler, George J. (1973): « Frank Knight as Teacher, » The Journal of Political Economy, 81 (3), May – Jun., pp. 518-20.

Stigler, George J. (1982): « The Economists and the Problem of Monopoly, » The Journal of Economic Review, 72 (2, Papers and Proceedings of the Ninety-Fourth Annual Meeting of the American Economic Association), May, pp. 1-11.

Stigler, George Joseph (1975): The citizen and the state: essays on regulation. Chicago: The University of Chicago Press

Stokey, Nancy L. (2001): « A quantitative model of the British industrial revolution, 1780–1850, » Carnegie-Rochester Confer. Series on Public Policy, 55 (1), pp. 55-109.

Veciana, J. M. (1999): « Entrepreneurship as a scientific research programme, » Revista Europea de Dirección y Economía de la Empresa, 8 (3), pp. 11-36.

Veciana, José Maria (2007): « Entrepreneurship as a scientific research programme, » in Entrepreneurship, ed. by J. W. Carland, et al. Berlin Heidelberg: Springer,  23-71.

White, Eugene N (1996): « The Past and Future of Economic History in Economics, » Quarterly Review of Economics and Business, 36, pp.

 


Notas 

*  [Texto baseado numa aula aos alunos de doutoramento no ISCTE em 2008 e revisto em outubro de 2019]

[1] Marc Jacquinet (mjacquinet@univ-ab.pt) é Professor auxiliar da Universidade Aberta, membro do Centre de Recherche et Intervention en Organisations, CERIO, Centro de Investigação em Organizações da FUCAM-Académie de Louvain. Doutorou-se no Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa com uma dissertação intitulada «Technological, Institutional and Market Structure Changes as Evolutionary Processes: The Case of the Port Wine Sector (1680-1974)», Lisboa: Universidade Técnica de Lisboa, Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG). Desenvolve, neste momento, investigação sobre empreendedorismo e inovação tecnológica.

Agradeço a Luísa de Castro Vasconcelos G.  Jacquinet por ter feito sugestões que em muito melhoraram o presente texto.

[2] No caso de Smith, podemos referir os trabalhos de I.G. Pocock, nomeadamente o seu capítulo sobre o tema da história, “Adam Smith and History”, em Knud Haakonssen (organizador) Cambridge Companion to Adam Smith (Pocock 2006).

[3] Ver as referências de Knight (bibliografia) e o livro de Brian Loasby (1976). Choice, complexity and ignorance: an enquiry into economic theory and the practice of decision-making. Cambridge University Press.

[4] Para dar um exemplo, uma revista de referência, a American Journal of Small Business, criada em 1976 mudou de nome para Entrepreneurship: Theory and Practice, reflectindo a mudança da noção de pequena empresa (small business) para o conceito de empreendedorismo (entrepreneurship) como área de especialização que se quer autónoma.

[5] Stigler é provavelmente o autor mais referenciado para aquela década de Setenta e com trabalhos anteriores sobre monopólio e concorrência perfeita e imperfeita (Stigler 1968, Stigler 1957, 1962, 1965, 1970, 1971, 1972, Stigler 1975, Stigler 1982).  Há, contudo, outros autores, como Frank Knight, professor de Stigler, que sublinharam aspectos institucionais da economia de mercado que podemos aqui qualificar de aspectos regulatórios (Knight 1921, Knight 1935, 1942, 1951b, 1951a, 1953, 1955, 1960, Stigler 1973). Podemos recuar até John Commons e Thorstein Veblen, na vertente institucionalista americana e até outros autores como Gustav Schmoller e Werner Sombart, dois representantes da “nova” escola histórica alemã, Richard Ely, um precursor dos institucionalismo americano, Alfred Marshall, associado à chamada revolução marginalista, e muitos outros como Adam Smith ou Karl Marx, para citar duas figuras da economia política clássica.

[6] O que conhecemos nos últimos meses nos mercados e nas instituições financeiras dos países da OCDE apresenta um paralelo que valeria estudar.

[7] É um problema semelhante que os antropólogos encontram no plano de espaços geográfico distantes de uma determinada época em que as referências e as “estruturas” são sui generis, difíceis de comparar, sem a criação de uma meta-linguagem científica.

Cite this article as: {Jacquinet, Marc}, Dinâmicas institucionais e empresariais: Inovação, empreendedorismo, complexidade e regulação nos processos históricos contemporâneos (*),"{Management Critique}," in {https://critiquema.hypotheses.org}, 26/10/2019, https://critiquema.hypotheses.org/225.

Marc Jacquinet

https://orcid.org/0000-0003-1157-060X

Vous aimerez aussi...

Laisser un commentaire

Votre adresse de messagerie ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *

Ce site utilise Akismet pour réduire les indésirables. En savoir plus sur comment les données de vos commentaires sont utilisées.

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search